Preço do panetone pode variar mais de 250%, diz Procon - Conecta Paraíba

Últimas Notícias

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Preço do panetone pode variar mais de 250%, diz Procon

Produto pode ser encontrado com preços entre R$ 6,99 a R$ 24,99. Consumidor pode economizar até R$ 82,69 na ceia natalina de 2019
Preço do panetone pode variar mais de 250% em Campina Grande, diz Proncon - Foto: Reprodução/TV Vanguarda
O preço do panetone sabor chocolate pode variar até 258% em Campina Grande, de acordo com uma pesquisa divulgada pelo Procon Municipal nesta quinta-feira (12). Segundo o órgão, o produto pode ser encontrado com valores entre R$ 6,99 e R$ 24,99. Já o panetone com frutas cristalizadas, apontado como o mais procurado pelos clientes, apresentou uma variação de aproximadamente 175%.

A segunda maior diferença de preço foi constatada no apresuntado, com variação de até 244%. Para o mês de dezembro de 2019 a ceia natalina custa ao campinense um valor médio de R$ 465,64. Foram checados os preços de 34 tipos de produtos em 11 estabelecimentos físicos da cidade.

A ceia natalina é composta por bacalhau, chester, frango congelado, pernil, peru, apresuntado, presunto, peito de peru defumado, salsicha, queijo mussarela, queijo prato, queijo do reino, azeitona com e sem caroço, azeite extra virgem, barra de chocolate, caixa de chocolate, creme de leite, leite condensado, ervilha, molho de tomate, panetone com frutas e com chocolate, sete tipos de refrigerante e dois tipos de sidra.

Entre as carnes mais consumidas o quilo do frango congelado apresentou a maior variação, com 118% de diferença. O produto pode ser comprado com valores entre R$ 4,99 e R$ 10,90. Já o quilo do peru temperado pode chegar a R$ 19,99 e o do chester a R$ 18,98.

Rivaldo Rodrigues, coordenador executivo do Procon de Campina Grande, reforça ao consumidor que continue com a prática da pesquisa.

“Se o consumidor fizer uma boa pesquisa pode economizar até R$ 82,69 nas compras de natal entre os estabelecimentos visitados. No entanto, reforçamos que olhem sempre a data de validade dos produtos, se possível a data impressa na embalagem”, pontuou.

G1 PB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Páginas